segunda-feira, 26 de novembro de 2007

“Americanos consideram “Rua Sésamo” imprópria para crianças”

Por Cristina Sousa
Quem não se lembra das personagens deste programa infantil?! Do Poupas ao Monstro das Bolachas, do Ferrão e o seu agripino ao Becas e Egas?! As manhãs da nossa infância eram bem animadas e educativas.
No entanto, e numa altura em que, nos EUA, se prepara o lançamento de um DVD da Rua Sésamo, surge a notícia que, afinal o conteúdo de alguns episódios “poderá não ser assim tão apropriado para as crianças do pré-escolar”. Os dois primeiros episódios vão mesmo ser classificados como para adultos.
Tudo isto porque, no primeiro episódio, que data já de Novembro de 1969, uma menina fazia-se amiga de um desconhecido que a convidava para ir a sua casa tomar leite com bolachas e porque, imagine-se, há uma cena em que o Egas pede ao Becas que lhe passe o sabonete enquanto está no banho...
Os episódios, analisados à luz dos nossos dias, não tardaram em levantar polémica, sobretudo pela “dúvida” de que estes dois bonecos formariam um par homossexual.
Como sabemos, a televisão, e mormente, os desenhos animados, são um meio feroz de incutir valores e influenciar comportamentos, ainda para mais nas crianças. Há, portanto, que atender e controlar aquilo que poderá surtir efeitos nefastos na formação dos pequenos telespectadores.
De facto, e como diz Daniel Andersen, psicólogo na Universidade de Massachusetts, “os telespectadores de hoje tornaram-se hipersensíveis”, pelo que, penso, ser de incluir também nos desenhos animados “filtrados”, as séries violentas que invadem a nossa televisão, como sejam o “Dragon Ball", o "Pokémon" e os "Power Rangers”, entre outros.
Sobre as crianças e a violência da televisão e o processo de imitação, sugiro a visita a:
www.ipv.pt/forumedia/3/3_fe5.htm

2 comentários:

Sónia Monteiro disse...

São os exageros de uma sociedade obcecada com perseguições e que acaba por oprimir a liberdade!

Abílio disse...

Três palavras.... Estados Unidos da América (vá 4)